Olha o que já passou por aqui!

postado por Cinthya Rachel às 12:44
05
set

Já aconteceu de você conhecer uma pessoa que sempre se considera dona da razão? Ela fala com vc de um jeito que parece que vc é culpada de tudo que dá errado no universo. Você está sempre errada. Vc é que é histérica e sem noção. Voce é doida. Não sabe do que estás falando. Só viaja. Um zero a esquerda.

E qdo vc diz pra essa pessoa: mas peraí, eu não tô louca, vc que está errada! Você é que está me tratando mal sem eu merecer! Mas a pessoa continua te minando, até que um dia vc acha que realmente vc deve ser sensível demais, que vc chora à toa, que vc está sem razao e exagerando.

Mas qdo vc está quase sumindo por dentro, e essa pessoa tem um outro ataque, digamos no supermercado, fala alto, fala pra vc ir logo, sendo que vc está ali, tranquila, já terminou inclusive de fazer as compras, e vc não entende pq essa pessoa te trata assim, vc começa a achar mesmo que vc é um nada, nesse minuto o caixa do mercado vira e fala entredentes pra vc: Calma querida, respira fundo.

E a luz se faz!

Putz! Então eu não sou louca!!!! A outra pessoa é que é louca! Meu Deus eu estou livre! Eu sou uma boa pessoa. Eu sou sã! Eu não sou sensível demais, a outra pessoa é que é sensível de menos.

Qualquer semelhança com a realidade não é mera coincidência.

Isso é quase um assédio moral. Essa situação pode acontecer entre pais e filhos, namorados e namoradas, avós e netos, amigos e amigas, patrão e empregado… Pra mim uma pessoa assim tem um grande complexo de inferioridade e só se sente bem diminuindo os outros.

PS: A imagem é de uma flor de Lótus, que nasce da lama, do lodo e vira essa perfeição. É um símbolo de renascimento, de pureza, a flor de mil pétalas.






postado por Cinthya Rachel às 11:43
29
ago

Confesso, tenho um vício.

Além do tricô, dos livros e de acordar de madrugada pra ver que horas são.

Eu tenho um vício.

Quando eu era criança meu sonho era morar sozinha só pra poder manter esse hábito e ninguém reclamar…

Confesso: gosto de tomar as coisas direto do gargalo.

Guaraná, leite, água…

Meu sonho era uma casa só pra mim. Aí eu acordava e tomava leite direto da caixinha, hum…

Mas eu casei, e hoje me contento em tomar no gargalo só quando tá no finzinho…



Nas categorias: eu e mim mesma mini contos


postado por Cinthya Rachel às 19:55
03
ago

Sabe quando você acorda e seus cachos estão todos no lugar, seu rosto não está marcado com as dobras do travesseiro e seu hálito é de menta fresca colhida pelas virgens do Himalaia?

Sabe quando você entra no chuveiro e a temperatura da água está perfeita, o sabonete hidrata a sua pele, e você cheira a jasmin?

Sabe quando você veste sem esforço a calça jeans que acabou de sair da máquina de lavar, as flores do seu jardim estão todas abertas exalando perfume e a temperatura lá fora são perfeitos 22 graus?

Sabe quando o telefone toca e você ouve exatamente aquilo que queria ouvir, você recebe um aumento, e quando vai se pesar emagreceu 2 quilos sem dieta?

Sabe quando o céu está azul, não tem fila no banco e a caixa do mercado é gentil?

Então, você não acordou querida, você está num comercial de margarina.



Nas categorias: mini contos


postado por Cinthya Rachel às 23:03
02
ago

Hoje tive que ir ao mercado, fazer a compra do mês. Confesso que não é meu programa favorito, mas se eu não for não tem comida em casa, então… Tem uma coisa que me irrita muito em supermercado, a lógica na hora de arrumar o carrinho e suas consequências.
Você chega no mercado e se deu sorte não esqueceu a lista (como eu fiz mês passado), começa a percorrer os corredores, fugir das tentações, reclama do preço, do produto que está sem preço, elogia o preço bom, checa a validade, droga, sua bolacha favorita não está lá, e lá pela metade da sua lista ou pela metade do mercado você tem a revelação:- que meleca, preciso comprar as coisas pesadas primeiro, água, leite, suco, refrigerante. E lá vai você correndo até o setor dos “pesados” e que logicamente devem ser colocados no carrinho primeiro para não amassar a alface, papel higiênico, guardanapo, a uva, que na verdade já estavam no seu carrinho.
Aperta daqui, ajeita de lá, coloca o leite embaixo de tudo e aí você percebe que tinha se distraído, passado pelo setor de congelados antes de tudo e que a essa hora a carne está vazando em cima da sua pasta de dente, você xinga de novo. E mal humorado você prossegue na maratona, termina as compras e chega ao caixa.
E na sua frente com certeza vai estar a caixa mais lenta de todos os mercados do universo e o cliente com mais itens que a caixa não consegue passar pelo código de barras e fica chamando o coitado do rapaz que tem que ficar correndo do caixa para as gôndolas para descobrir o preço. Quando chega a sua vez, a carne já descongelou, a alface está toda amassada, o pacote de bolachas esfarelou e sua caprichada arrumação no carrinho já está meio torta.
Você respira fundo e prossegue. Primeiro tira o que está em cima, que nessa hora são as coisas mais leves, como as verduras, papel toalha, e depois de registrado começa a embalar, mas nesse momento você nota que se colocar essas coisas no carrinho primeiro vai ter o mesmo problema que percebeu no início, que as coisas mais leves vão ficar embaixo. Então você aguarda todos os itens passarem e ficarem socados naquele espacinho que ficam as sacolinhas até o carrinho ficar liberado e recomeça a saga, colocar as coisas mais pesadas embaixo.
Foi difícil, mas vc conseguiu. Caminha triunfante até chegar ao carro. E de novo vc percebe que as coisas leves estão em cima e se vc começar a descarregar por essas coisas elas vão novamente ficar embaixo. Aí vc remexe tudo para começar a pegar os pacotes que estão no fundo do carrinho, e nessa hora os saquinhos já estão rasgados, a lata de molho de tomate rola pelo estacionamento, o pacote de salgadinho abre, mas novamente você consegue. Com tudo arrumado vc chega a sorrir e pensa, que bobagem, me estressando por tão pouco. Mas aí vc chega em casa e abre o porta malas….

(Publicado originalmente no dia 14/05/07)