Olha o que já passou por aqui!

postado por Cinthya Rachel às 19:41
05
dez

captura-de-tela-2016-12-05-as-18-38-20

Tenho um pouco de invejinha de quem tem paixões, sei lá, a pessoa descobre um amor doido pela flauta doce, faz curso, estuda, participa da imersão de flauta doce na serra do Capivari, tira fotos com sua coleção de flautas, dá nome pras flautas, vai em show dos mestres da flauta, fica amiga dos mestres da flauta, transforma o seu insta em uma ode às flautas doces (bem melhor que as outras flautas existentes no mundo), se especializa em flautas, casa com um tocador de flauta, e vai ser feliz.

Não sei se tenho essa paixão. Sim, tenho minhas obsessões esporádicas, sou meio a maníaca da culinária, por exemplo, e até tenho algumas fotos disso no insta. Mas não consigo me entregar assim. Sempre aparece uma ou outra paixão bandida pra puxar meu pé a noite enquanto eu durmo, como um fantasma.

Jardinagem é tão interessante. Ginecologia natural também. Um curso de meditação não ia ser ruim. Já que estamos, que tal começar yoga? Vi uma oficina de panificação que acho que vai ser legal. Sempre quis fazer pintura em cerâmica. E aula de bioenergética é incrível, saio super relaxada. Comida vegetariana. Churrasco também, claro.

E sigo assim, uma paixãozinha aqui, um lance, outra paixãozona lá, um amorzinho, um flerte, um romance, uma ficada, selinho, beijo de língua…

 




Nas categorias: eu e mim mesma mini contos


postado por Cinthya Rachel às 12:25
17
nov

captura-de-tela-2016-11-17-as-11-22-56

Impossível as meninas do pilates gostarem de mim. Certeza que me achavam antipática. Eu chegava, falava oi, deitava na minha caminha, e seguia calada até o fim da aula, de onde saía com um aceno discreto de cabeça no lugar do tchau e dos mil beijos que os argentinos gostam de distribuir.

É que é muito difícil ser simpática e engraçada em uma língua que não é a sua, ainda mais no meio de uma aula em que você tem ficar muito atenta, por que imagina se troco la rodilla (joelho) por el codo (cotovelo)?

A professora devia me achar uma aluna exemplar e muito séria, mas na verdade aquela minha cara de concentração era pra tentar adivinhar o que significava o que ela falava. Eram partes do corpo e posições que em espanhol faziam tudo parecer muito complexo.

Eu ouvia o que a professora dizia, tentava identificar a parte do corpo, olhava paras as amiguinhas e copiava. Tobillo (tornozelo), pecho (peitinhooooo), pies, piernas, manos, cuello (pescoço). Até que um dia tinha que cerrar los ojos (fechar os olhos) e levar el mentón hacia (até) el pecho. Jesus, o que é mentón, o que eu que tenho que levar até meu peito, que parte do corpo é essa que nunca ouvi ninguém falar, e agora, que parte é, vou abrir o olho disfarçadamente e… Era o queixo!

Quando a professora fazia alguma piada com as alunas era o pior momento, porque é nessa hora que as pessoas se aproximam e fazem amizade, mas você já viu dois argentinos conversando? Deveriam estar no Guinness pela fala mais rápida do mundo. Eu pescava uma ou outra palavra, mas pra ser sincera eu entendia basicamente 0,32% da conversa, todas riam, menos eu. A antipática do pilates.






postado por Cinthya Rachel às 19:14
29
out


captura-de-tela-2016-10-29-as-18-12-35

 

A vida vai passando assim sem a gente perceber, aí quando vejo já tem semanas que não escrevo no blog. Viver em um outro país é muito louco, pois você acha que já está adaptado e aí do nada vem um cheiro, um gosto, uma falta de alguma coisa, mas você segue, porque tem cheiros e gostos novos por aqui.

Um dia acordei, vi uma reportagem de uma menina que tinha 500 plantas em um ap no Brooklin e eu: é isso! Caramba, eu gosto de plantas, sempre gostei, quando foi que coloquei isso numa caixinha dentro de mim e guardei? Saí e voltei carregada de verdinho. Vocês sentem que tem partes de vocês que guardam por um tempo e nem sabem por quê?

Será que fiz isso com mais alguma coisa? Certeza. Bem, já já resgato essa coisa e volto a experimentar. Acho que às vezes falta isso na vida: provar. Gosto disso? E isso, é legal? Mas e se eu fizer diferente? E se eu mudar o caminho?

Vamos experimentar…






postado por Cinthya Rachel às 9:47
27
set

Eu nunca comprei uma goiaba na vida. Nunca. Tinha uma goiabeira na casa da minha vó, e lembro de usufruir da fruta bem doce até os meus 19, algo assim. Eram aquelas goiabas feias porém deliciosos, e tirando os traumas dos 5 bilhões de lesminhas que eu devo ter achado e das bicadas dos passarinhos nas frutas, foi uma relação feliz. Mas nunca gostei particularmente de goiaba, comia mais porque estava ali. Nunca me interessei em comprar na feira, no mercado, no sacolão. Goiabada também nunca foi dos meus doces favoritos. Vai lá, um pedacinho de vez em nunca com queijo era bom, daquela cascão. Ou o biscoitinho com ela dentro, que aprendi a fazer quando era criança.

Daí que vim morar em Buenos Aires e as frutas tropicais não se animam de amadurecer por aqui. Elas até existem, mas não tem gosto, não tem doce, não tem amor. Não vamos falar do preço… O mamão é branco e sem graça, a manga fica macia mas não fica doce e o maracujá custa um rim.

Aí que meu marido me aparece em casa com mais de um quilo de GOIABA. Onde ele achou goiaba em Buenos Aires? Não sei. Melhor não perguntar. Mas fiquei feliz, feliz. Elas estavam muito perfumadas, voltei à infância em 2 segundos. Já macias ao toque nem me assustei quando abri e elas estavam azedinhas, a vida em terra portenha é dura para as frutas da minha infância. Não pensei duas vezes, piquei tudo, bati a polpa, coei as sementes, taquei açúcar, meti na panela de ferro e tá rolando uma goiabada aqui. Aposto que os vizinhos estão assustados tentando entender que cheiro é esse.

Isso é cheiro da casa de mi abuela, vecinos!

E eu nem gosto de goiaba…