Olha o que já passou por aqui!

postado por Cinthya Rachel às 19:20
11
jul
Um dia eu e o marido paramos pra comer uma empanada e eu fui até o caixa pagar.
-Que amor – pensei olhando para o caixa super sorridente que me atendia, que simpático, e dizem que os argentinos não são fofinhos.
O caixa era todo espelhado. Era eu mesma olhando pra mim. E sorrindo. Demorei meses pra contar isso pro meu marido…





postado por Cinthya Rachel às 21:40
18
jun

Estou com uma blusa que tem um desenho de raposa, o que acabou inspirando uma conversa com meu marido argentino. Zorra significa raposa em espanhol e ficamos analisando em qual língua a palavra parecia mais bonita, sua variável masculina (zorro) e seus outros significados além do nome do animal (esperto, por exemplo).

Do nada ele tem um estalo e me pergunta: como se chama no Brasil aquele personagem com a máscara, o Zorro?

Eu: ué, Zorro, não é o nome dele?

Ele: (risos infinitos) no boluda, él se llama Zorro por una analogia con el animal, por ser astuto.

Eu: meu deus, não sei se algum brasileiro sabe disso não!!!

Ele: amor, o que significa zorra?

Eu: zona, bagunça, por quê?

Ele: (cara de espanto), então é por isso que aquele programa chama Zorra Total?

Eu: sim, por quê?

Ele: porque zorra além de raposa aqui também significa puta, e eu achava muito estranho um programa chamar Puta Total.






postado por Cinthya Rachel às 12:25
17
nov

captura-de-tela-2016-11-17-as-11-22-56

Impossível as meninas do pilates gostarem de mim. Certeza que me achavam antipática. Eu chegava, falava oi, deitava na minha caminha, e seguia calada até o fim da aula, de onde saía com um aceno discreto de cabeça no lugar do tchau e dos mil beijos que os argentinos gostam de distribuir.

É que é muito difícil ser simpática e engraçada em uma língua que não é a sua, ainda mais no meio de uma aula em que você tem ficar muito atenta, por que imagina se troco la rodilla (joelho) por el codo (cotovelo)?

A professora devia me achar uma aluna exemplar e muito séria, mas na verdade aquela minha cara de concentração era pra tentar adivinhar o que significava o que ela falava. Eram partes do corpo e posições que em espanhol faziam tudo parecer muito complexo.

Eu ouvia o que a professora dizia, tentava identificar a parte do corpo, olhava paras as amiguinhas e copiava. Tobillo (tornozelo), pecho (peitinhooooo), pies, piernas, manos, cuello (pescoço). Até que um dia tinha que cerrar los ojos (fechar os olhos) e levar el mentón hacia (até) el pecho. Jesus, o que é mentón, o que eu que tenho que levar até meu peito, que parte do corpo é essa que nunca ouvi ninguém falar, e agora, que parte é, vou abrir o olho disfarçadamente e… Era o queixo!

Quando a professora fazia alguma piada com as alunas era o pior momento, porque é nessa hora que as pessoas se aproximam e fazem amizade, mas você já viu dois argentinos conversando? Deveriam estar no Guinness pela fala mais rápida do mundo. Eu pescava uma ou outra palavra, mas pra ser sincera eu entendia basicamente 0,32% da conversa, todas riam, menos eu. A antipática do pilates.






postado por Cinthya Rachel às 11:24
22
ago

Comprei um sutiã de renda. Simples. Um triângulo. Não tem pushup, não tem bojo, não tem enchimento, não junta os peitos, não deixa eles maiores, nem mais redondos.

É só um sutiã, como fazia muito que eu não usava.

Faz quanto tempo que a gente parou de ser um pouco a gente? Faz quanto tempo que a gente se acostumou a sempre ter uma camadinha cobrindo?

Outro diz esqueci de passar corretivo e foi muuuuito estranho. Me olhei no espelho e me achei cansada, com olheira. Parecia que faltava alguma coisa.

Aí no outro dia esqueci de propósito, pra ver o que ia acontecer. Um dia, dois, três. E não é que comecei a me achar normal, no melhor sentido da palavra? Era ok sair sem maquiagem, era ok eu ter olheiras, achei bom, achei leve.

Ainda continuo achando legal passar corretivo, máscara e tals, não se enganem. É divertido. Ainda acho lindos meus sutiãs com bojo, com aro e etcéteras.

O que foi bom mesmo foi entender esse poder da escolha, esse poder de ser como eu quiser, de que está tudo bem deixar o peitinho livre, como ele é.