Olha o que já passou por aqui!

postado por Cinthya Rachel às 21:40
18
jun

Estou com uma blusa que tem um desenho de raposa, o que acabou inspirando uma conversa com meu marido argentino. Zorra significa raposa em espanhol e ficamos analisando em qual língua a palavra parecia mais bonita, sua variável masculina (zorro) e seus outros significados além do nome do animal (esperto, por exemplo).

Do nada ele tem um estalo e me pergunta: como se chama no Brasil aquele personagem com a máscara, o Zorro?

Eu: ué, Zorro, não é o nome dele?

Ele: (risos infinitos) no boluda, él se llama Zorro por una analogia con el animal, por ser astuto.

Eu: meu deus, não sei se algum brasileiro sabe disso não!!!

Ele: amor, o que significa zorra?

Eu: zona, bagunça, por quê?

Ele: (cara de espanto), então é por isso que aquele programa chama Zorra Total?

Eu: sim, por quê?

Ele: porque zorra além de raposa aqui também significa puta, e eu achava muito estranho um programa chamar Puta Total.





Você pode gostar também:

postado por Cinthya Rachel às 15:56
10
mar

-Um amigo postou que começou a perder o cabelo por causa do tratamento contra o câncer e as pessoas comentaram: é só cabelo, cabelo cresce. É difícil entender que a pessoa também pode ficar triste com perder o cabelo mesmo que isso signifique que ela está sendo curada?

-Uma amiga postou que o filho não estava dormindo à noite. As pessoas comentaram: nossa, mas meu filho dorme sozinho, no escuro, no quarto dele desde que ele chegou em casa com 2 dias de vida. Ah, mas o meu filho já saiu da barriga dormindo e mama exatamente de 3 em 3 horas e não chora nunca. Cara, não é isso que a mãe precisa ouvir nesse momento.

-Um amigo postou aquela charada do pai que morre em um acidente de carro e o filho se machuca, etc, etc, etc, e as pessoas que descobriram a resposta de cara fizeram comentários como: noooooossa, como vocês não sabiam a respostaaaaaaaaa, era muuuuuito óbviaaaaaaa. Ok, floquinho de neve, você deve ter sido criado com leite de pêra orgânica com chia para ser tão especial.

-Uma amiga postou que estava vendendo os livros já lidos dela bem baratinho, e as pessoas comentaram: ai, por que não doa? Tem tanta gente precisando! Mas vocês sabem se ela já doou outros? Sabem se ela tá precisando do dinheiro?

Aí eu fico com preguiça, fecho o facebook, posto cada vez menos e fico na minha bolhinha de amor com amigos, marido, plantinhas e comidinhas.#nãosejaessapessoa





Você pode gostar também:

postado por Cinthya Rachel às 17:56
20
fev

Captura de Tela 2017-02-20 às 17.47.39

 

 

Eu tenho uns assuntos aí pra falar pra vocês. Vontade de escrever post, de fazer uns vídeos. De falar como andam as coisas por aqui, de como a vida tem sido leve e de como tem feito calor. De dizer que finalmente li a Hora da Estrela da Clarice, que tô lendo o meu primeiro livro gigante em espanhol, que temos nos divertido fazendo potes de conserva, que depois de mais de um ano coloquei um saltinho pra sair,  zeramos duas séries e ainda não escolhemos outra pra vermos juntos, que tô fazendo um curso de massagem e que meu cabelo cresceu um pouco… Aí confesso que me dá uma preguiça, vejo que tudo vira discussão, hashtag #minhaopinião, grosseria disfarçada de conselho, e aí eu quero correr para as montanhas. Mas não corro, pois se correr “eles” ganham e a gente não pode deixar isso acontecer.





Você pode gostar também:

postado por Cinthya Rachel às 9:47
27
set

Eu nunca comprei uma goiaba na vida. Nunca. Tinha uma goiabeira na casa da minha vó, e lembro de usufruir da fruta bem doce até os meus 19, algo assim. Eram aquelas goiabas feias porém deliciosos, e tirando os traumas dos 5 bilhões de lesminhas que eu devo ter achado e das bicadas dos passarinhos nas frutas, foi uma relação feliz. Mas nunca gostei particularmente de goiaba, comia mais porque estava ali. Nunca me interessei em comprar na feira, no mercado, no sacolão. Goiabada também nunca foi dos meus doces favoritos. Vai lá, um pedacinho de vez em nunca com queijo era bom, daquela cascão. Ou o biscoitinho com ela dentro, que aprendi a fazer quando era criança.

Daí que vim morar em Buenos Aires e as frutas tropicais não se animam de amadurecer por aqui. Elas até existem, mas não tem gosto, não tem doce, não tem amor. Não vamos falar do preço… O mamão é branco e sem graça, a manga fica macia mas não fica doce e o maracujá custa um rim.

Aí que meu marido me aparece em casa com mais de um quilo de GOIABA. Onde ele achou goiaba em Buenos Aires? Não sei. Melhor não perguntar. Mas fiquei feliz, feliz. Elas estavam muito perfumadas, voltei à infância em 2 segundos. Já macias ao toque nem me assustei quando abri e elas estavam azedinhas, a vida em terra portenha é dura para as frutas da minha infância. Não pensei duas vezes, piquei tudo, bati a polpa, coei as sementes, taquei açúcar, meti na panela de ferro e tá rolando uma goiabada aqui. Aposto que os vizinhos estão assustados tentando entender que cheiro é esse.

Isso é cheiro da casa de mi abuela, vecinos!

E eu nem gosto de goiaba…





Você pode gostar também: