Olha o que já passou por aqui!

postado por Cinthya Rachel às 11:03
15
jan

02/02/10
Super animada pra ir na Concha y Toro, mas nada animada com os preços (U$$ 64 por pessoa!!!) que as agências cobram? Vai de metrô gata! Super tranquilo andar de metro por lá, e tem várias estações como a Sé, que cruzam outras linhas, mas antes de sair do hotel peça para o moço da recepção reservar pra você, nós marcamos para as 10:30, colocamos nosso All Star no pé e fomos embora!

Dica: do centro para a a estação Puente Alto (a última de uma das linhas) dá uma hora, do metrô Baquedano para a mesma estação dá uns 45 min, então se programe, tem que fazer baldeação, mas todo mundo se desdobra pra te ajudar a entender e existem vários caminhos pra chegar até lá. Valor do metrô 400 pesos por pessoa, um pouco menos de 1 real.

Chegando na estação Puente Alto desci e perguntei pra uma menina onde ficava a Vinícola, ela me olhou com cara de “essa guria tá louca” e falou q era ali, (a avenida saindo do metrô tem esse nome), e foi uns bons 15 minutos e muita mímica de fingir que tava bebendo até ela entender que eu queria ir na “Viña Concha y Toro”. Saí e peguei um táxi, me informei no hotel quanto dava até lá (2000 pesos), o motorista me cobrou 3000, mas você também pode pegar vários ônibus que tem ali em frente.

Dica: em Santiago eles não tem muito costume de ligar o taxímetro não, combine antes de entrar, não tivemos problemas em relação a isso. Mesmo sendo um local seguro fique muito atento no metrô, eles não vão te assaltar, mas sua câmera fotográfica, sua carteira podem “sumir” do seu bolso sem você perceber, o que realmente aconteceu com um casal de brasileiros que estava por lá, não desvie nem por um segundo os olhos das suas coisas e não deixe NADA no bolso de trás. E gente, passaporte é pra ficar no COFRE do hotel, leve com você uma cópia do passaporte e do seu seguro, é o suficiente.

A “viña” é um pouco longe da estação, dá uns 15 minutos de táxi, conte com esse tempo pois o tour começa pontualmente e seu nome vai estar lá na porta. Tem duas opções, a primeira com o tour mais a degustação de 2 vinhos por 7000 pesos (28 reais por pessoa), e a outra com o mesmo tour mais 4 vinhos e uma tábua de queijos e etc (o valor me fugiu da mente, mas era algo como 15000 pesos por pessoa), peguei o de dois vinhos pq, poxa vida, ainda eram 10:30 da manhã, rs!
O passeio é bem bonito, o lugar é muito agradável, tem lagos, tem flores, tem o lugar que o Don Melchor disse que morava o Diabo e que ele guardava as melhores garrafas, tem as uvinhas no pé, e no fim você ganha a sua tacinha linda (que trouxe no colo desde Santiago passando por Mendoza, Buenos Aires e São Paulo, rsrs) e se quiser fica à vontade para tirar mais fotos e pedir uma comida no restaurante lindo que tem ali. Nós pedimos mais uma taça de vinho (hihihihi) e uma porção muuuuuuito gostosa de empanadas (camarão, queijo, carne 5.500 pesos 6 empanadas pra enganar bem a fome).

Dica: na hora de sair tem alguns táxis que ficam ali na porta esperando, e provavelmente algum brasileiro simpático vai querer dividir com você. Se você curte muito vinho faça o tour um pouco mais tarde, assim você aproveita mais, mas não esqueça de reservar. Eles aceitam efectívo (dinheiro vivo) peso e dólar e o bom amigo cartão de crédito, lá não tivemos problemas com o troco (vuelto), mas na Argentina recomendo fortemente você andar com dinheiro trocado.

Voltamos de metrô e lógico que a lombriga do meu marido já estava com fome de novo, então paramos no Azul Profundo, altamente recomendado pelas amigas de blog, e uma leitora num comentário disse que estava lá, me viu e não foi falar comigo! Ah….. Esse restaurante fica na Av. Constituicíon 111 (tem um restaurante ao lado do outro) no bairro BellaVista, e a especialidade? Frutos do mar! Pedimos uma tábua pornográfica de frutos do mar com vieiras, camarões, lulas, locos e machas (marisco locais) e salmão. Gente, o salmão que a comemos aqui no Brasil tem gosto de isopor perto do de lá, tem outro sabor, muito diferente, os camarões são tão frescos que chegam a ser doces e explodem na boca. Estava tudo ótimo, só as lulas que passaram um pouquinho do ponto, no mais, perfeição.

Dica: a comida lá com raras exceções demora muito pra chegar, coisa de 40 minutos, então não adianta chegar morrendo de fome, rs. Todos os couverts que nos serviram lá foram cortesia e são muito gostosos. Ah, e de novo, peça um balde com hielo porque até nesse super power restaurante a Pepsi veio quase que na temperatura ambiente…

A tarde estava muito quente e muito seca (quase que 35 graus) mas mesmo assim resolvemos conhecer o Cerro Santa Lúcia, como nosso hotel estava muito bem localizado (ao lado do metrô Baquedano) fomos a pé seguindo o rio Mapocho, passamos por um parque que é uma praça, rs, muito lindo e agradável, até sentamos ali pra esfriar um pouco a cabeça, acho que se chama Pç. República e tinham muitas crianças lindas (as menininhas lá são lindas demais, todas com maria chiquinha, bem branquinhas de olhos e cabelos escuros, pensamos seriamente em sequestrar uma delas mas não rolou), uma até perguntou: Brasileña? Owwww, e elas falando Papi, papi!!! Ops, desviei do assunto. Lá na praça perguntamos a direção do Sta Lúcia e cada um disse uma coisa, rs, que ótemo! Eventualmente achamos o caminho e demos de cara com uma feirinha de antiguidade muito simpática antes de entrar no Cerro.

Dica: nos informaram caminhos diferentes pq. o cerro tem várias entradas, uma tem a feirinha, na outra tem uma fonte, veja os predinhos em volta e me diga se você não quer se mudar para ali agora! E uma dica essencial de beleza, leve bepantol, foi o que salvou os nossos pés e nossos lábios, lá nessa época é seco demais!!!

Na volta passamos em frente ao rest. Como água para Chocolate, que era o único lugar que eu exigi jantar nessa viagem e fizemos a reserva pessoalmente, no hotel o moço não conseguiu e disse que estava lotado, vai entender.
O lugar é lindo, clima excelente, atendimento mega rápido e eficiente, a montagem do prato é uma coisa tão linda que dá dó de comer, eu pedi um ceviche com abacate, cebola (gostosinho mas ok) e meu marido um carne não sei do que que faz o maior sucesso pois várias mesas tinham pedido (estava delicioso).

O couvert eram vários pães com uma salsa (molho) de coentro, muito saboroso e a sobremesa que leva o nome da casa estava INCRÍVEL! Não dá pra descrever a textura, não era mousse, não era gelatina, não era pudim, era uma nuvem mega deliciosa de chocolate com coisas não identificadas que ficou na memória, até meu marido que não gosta de doce se rendeu. E sim, eu tomei mais um pisco sour, mas esse tava forte como um, um… ih, não me lembro, se não lembro eu não fiz, e ainda bem que o hotel era perto, rsrs.

Dica: fiquei mega preocupada com o figurino pra ir jantar nesses restaurantes, levei vestido e etc, me senti bem, vestida desse jeito, maquiada, com um sapatinho bonito, mas tinha muita gente mega normal de tênis, bermuda, bem turista, e todos foram bem atendidos. As chilenas se vestem bem, discretamente, calças no tamanho certo, nada agarrado demais e quase não usam salto, tinham vários chilenos nesse jantar e todos estavam de jeans, uma blusa bacana mas descontraído. Evite decotes ou roupa muito justas pq vai chamar muito a atenção, vão olhar pra você e fazer o comentário: brasileña! Não com desdém ou algo do tipo, é mais uma constatação, e eu vi fazerem isso na rua com uma menina que estava com uma calça justíssima e salto alto, e sim, ela realmente era brasileira.

E depois PRAIA! …continua






postado por Cinthya Rachel às 10:42
13
jan

Oi amigas, vamos começar a saga das férias?
Roteiro 9 noites/ 10 dias Santiago, Mendoza, Buenos Aires

Dia 31/12
Nessa noite fizemos as malas e bem, esse foi o primeiro drama, meu plano de uma micro mala não funcionou, sabe como é, minha primeira viagem internacional, não queria que faltasse nada, mas no fim acabei tirando metade das coisas.

Dica: faça a mala, agora tire metade das coisas e pra garantir tire mais um pouco, juro que é isso que você vai precisar. Se você for passar todos os dias num só destino melhor ainda, pq se sujar algo pode pedir pra lavar no hotel, ou se for algo menor como calcinha, uma regata, dá pra lavar tranquilo no chuveiro e no outro dia (hello, 40 graus) está seco. Leve regatas, shorts, tênis e uma rasteirinha dia/noite (que me salvou em muitas ocasiões). Se informe do clima local, de dia era muito quente, mas a noite em Santiago esfriava, o que mais usei foi um cardigã justinho de lãzinha que combinava com tudo e não ocupa espaço. Achei que não fosse comprar nada e nem me preocupei em deixar um espaço vazio na mala, não faça isso. Acredite, por mais econômica que você seja (eu aqui tia!) alguma coisinha vem de lembrança…

Dia 01/01
Sim, como eu temia o táxi me deixou na mão (às 7 da manhã do dia primeiro, que alegria…), eu estava tendo um colapso mas meu marido saiu na rua pra pegar um no laço, tudo deu certo e chegamos ao aeroporto com as 3 horas de antecedência. Fomos de Lan, que quase não tem fila, mas se você for de Gol, Tam, se prepare porque as filas dão voltas, então não chegue muito em cima da hora e fora que você vai ficar pouco tempo no freeshop.

Dica: o freeshop de ida é pequeno, mas dá pra garimpar algumas coisas, lembre-se que tudo o que você comprar na ida entra como objeto de uso pessoal e não entra na sua cota de 500 dólares da volta. Ah, vale a pena ver no site da companhia aérea se tem freeshop no voo, na Lan tinha e comprei o perfume DKNY Woman pela bagatela de 38 dólares, e um estojo de make da Clinique por 26 dólares (isso na ida, na volta eu conto depois, rs).
E prepare o lencinho pq a vista da chegada já paga a passagem amiga! As cordilheiras, lindas, com nevezinha em cima como se fosse açúcar, serião que quase chorei, mas mantive a pose e poupei o rímel.

Chegamos ao aeroporto e o tio do transfer estava esperando a gente com plaquinha (pontos para a agência Terra Mundí que fez a viagem pra mim) e com uma garrafa de vinho de presente (ueba!!!), super achei que tava hablando espanhol pq tava entendendo tudo o que ele falava, qual não foi minha supresa ao descobrir que ele é que tava falando portunhol, pq na primeira frase que ele trocou com o gerente do Hotel não entendi lhufas. Bom, chegamos ao hotel (Principado de Astúrias, muito bem localizado ao lado do metrô Baquedano) e resolvemos almoçar por lá mesmo pq nos informaram que tudo estaria fechado já que era feriado. A comida estava ÓTIMA e pedimos uma cerveza Austral. Fomos caminhar e chegamos ao bairro de BellaVista onde VÁRIOS restaurantes estavam abertos contrariando as expectativas, perguntamos por um caixa eletrônico (cajero automatico: fale “cadjero” no Chile e “caxxxxero na Argentina) e travamos uma luta inglória até descobrir como tirava dinheiro, quanto íamos tirar e como fazia o raio da conversão.

Dicas: Procure no google earth o endereço do seu hotel e vejo onde ele está em relação aos points da cidade, foi assim que eu sabia onde ir e não nos perdemos no Chile. Recomendo horrores o bairro da BellaVista pq tem um restaurante ao lado do outro e 99% são excelentes.
Para a conversão ligue para uma casa de câmbio aqui no Brasil antes de ir e pergunte a cotação, o peso chileno é algo mais ou menos assim 1 real= 0,0038, mas what the hell isso significa, digo eu que pra somar necessito usar o dedos. Simples: 1000 pesos chilenos= 3,80 reais! Para não ter surpresas multipliquei tudo por 4. Se uma conta der 20 mil pesos isso em real dá (20 X 4) = 80 reais!!!!
Se o seu cartão tem a bandeira Cirrus atrás fique tranquila que você tira dinheiro em qualquer “cajero”, mas as contas de restaurantes e tals passamos tudo no cartão de crédito.

Bom, depois de quase implorar ao caixa eletrônico conseguimos tirar dinheiro, caminhamos um pouco mais e paramos no Cerro San Cristóbal que tem uma vista incrível de toda a cidade, subimos de funicular ($1.600 por pessoa ida e volta) e na subida vimos todos os chilenos tomando uma bebida estranha (mote con huesillos), há, lógico que eu pedi um, tem até vídeo que colocarei aqui em breve, e descobri que nada mais é do que dois pêssegos secos dentro, com um suco que lembra muito a calda do pêssego e uns cereais embaixo. Eles são viciados em pêssego em calda, quase uma tara erótica, porque no café da manhã rolava uns 5 pêssegos em calda por pessoa e por cima doce de leite ou geléia de pêssego…

Descemos e na volta paramos num barzinho super gostoso (La Boheme na Av. Constituicion) onde pedi o primeiro pisco sour da viagem. Oh meu pai… Pecado aquela bebidinha… Delícia! É como se fosse a nossa caipirinha mas mais suave e com o suco de limão siciliano (e não com os pedaços) e uma mini tábua de frutos do mar com camarão pil pil (o nosso alho e óleo) e vieiras (que só chegou ano passado ao Brasil e é uma fortuna aqui).

Dica: aprenda duas palavras muuuuito importantes e essenciais na sua viagem ao Chile. Hielo (gelo, pq tudo vem sem gelo, até a cerveja, água, suco) e servijleta  se diz “servirreta”, que é guardanapo e eles costumam economizar, rs.

Cachaçados Mortos que estávamos da viagem passamos no hotel, tomamos um banho e saímos para jantar sem reserva, não faça isso amiga, é tudo lotado e periga você não achar lugar ou ficar horas para ser atendida. No fim conseguimos uma mesa num barzinho de comida Colombiana (delícia) e tomamos um vinho branco.

Dica: peça no hotel para fazerem as reservas pra você, ou se passou por algum lugar bacana de dia e quiser ir lá para jantar (cena) entre e reserve você mesma. Detalhe interessante, no Chile eles entendem bem o que você fala e acham fofo nosso portunhol, mas a gente quase não entende o que eles falam, já na Argentina a gente entende quase tudo mas eles não compreendem (ou fingem) a gente.

Depois volto com mais!