postado por Cinthya Rachel às 12:25
17
nov

captura-de-tela-2016-11-17-as-11-22-56

Impossível as meninas do pilates gostarem de mim. Certeza que me achavam antipática. Eu chegava, falava oi, deitava na minha caminha, e seguia calada até o fim da aula, de onde saía com um aceno discreto de cabeça no lugar do tchau e dos mil beijos que os argentinos gostam de distribuir.

É que é muito difícil ser simpática e engraçada em uma língua que não é a sua, ainda mais no meio de uma aula em que você tem ficar muito atenta, por que imagina se troco la rodilla (joelho) por el codo (cotovelo)?

A professora devia me achar uma aluna exemplar e muito séria, mas na verdade aquela minha cara de concentração era pra tentar adivinhar o que significava o que ela falava. Eram partes do corpo e posições que em espanhol faziam tudo parecer muito complexo.

Eu ouvia o que a professora dizia, tentava identificar a parte do corpo, olhava paras as amiguinhas e copiava. Tobillo (tornozelo), pecho (peitinhooooo), pies, piernas, manos, cuello (pescoço). Até que um dia tinha que cerrar los ojos (fechar os olhos) e levar el mentón hacia (até) el pecho. Jesus, o que é mentón, o que eu que tenho que levar até meu peito, que parte do corpo é essa que nunca ouvi ninguém falar, e agora, que parte é, vou abrir o olho disfarçadamente e… Era o queixo!

Quando a professora fazia alguma piada com as alunas era o pior momento, porque é nessa hora que as pessoas se aproximam e fazem amizade, mas você já viu dois argentinos conversando? Deveriam estar no Guinness pela fala mais rápida do mundo. Eu pescava uma ou outra palavra, mas pra ser sincera eu entendia basicamente 0,32% da conversa, todas riam, menos eu. A antipática do pilates.