postado por Cinthya Rachel às 15:48
16
set

Me desculpa o incômodo, mas precisamos falar do meu marido. Não, não precisamos, mas eu vou. Nos conhecemos no tinder. Ele disse que não queria nada sério. Eu também. Nos víamos todos os fins de semana. Mas não queríamos nada sério. Cozinhávamos juntos, mas nada sério. Ele me ensinou uns palavrões em espanhol. Ele já sabia os palavrões em português. Mas ensinei pra ele que a comida pode ter mais do que apenas um tempero, aqui é Brasil porra, aqui tem alho, aqui tem cominho, aqui tem coentro. Ele me levou em um restaurante lindo no meu aniversário, me comprou flores, escreveu um bilhete, mas a gente não namorava.

Ele me acordava cantando tango e Zeca Pagodinho. Eu acordava de mau humor (mentira, mas ficou boa essa frase no texto). Eu mostrei as maravilhas da carne seca. Também fiz feijoada. E ele empanada. Nosso “não relacionamento” era baseado em comida. E em vinho.

Ele me mostrou coisas de SP que eu não conhecia. Mas eu que levei ele pra comer o sanduba de pernil do estadão e disse- che, boludo, que buena onda, flaco. Mentira de novo, eu não falava uma palavra em espanhol e devo ter escrito tudo errado.
Ele me ajudou a planejar uma viagem que eu ia fazer sozinha, aí ele acabou entrando no meio e virou uma viagem de dois.

Um dia quando a gente almoçava, sim, comemos e cozinhamos muito, ele deixou escapar um “porque desde que a gente namora…”. E eu como não lembrava de ter sido pedida em namoro resolvi esclarecer os fatos, pois eu não queria nada sério, ele não queria nada sério, então ele me pediu em namoro e seguimos com nosso relacionamento engraçado.




Nas categorias: mini contos

Você pode gostar também: