Olha o que já passou por aqui!

postado por Cinthya Rachel às 18:44
23
dez

E já foi 2014. E foi assim ó, uma piscada. Aconteceu um tanto de coisa que cabia em 3 anos. Começou meio assim, aí foi melhorando, engrenou, apareceu uma galera legal, umas outras saíram de cena, uns dias bons, outros nem tanto, fez sol, quase não choveu, aí choveu pra caramba…

Todo ano tem um fluxo, é impossível ser 100% maravilhoso, 100% uma mierda, 100% qualquer coisa. Poxa, eu não vou dormir do mesmo jeito que acordei, oscilo tantas vezes durante um dia só, imagina o pobre ano, se ele não tem direito de dar umas deslizadas. Mas o roteirista da minha vida está bem melhor, parece que ele encontrou um caminho bacana, umas histórias interessantes, uns personagens maravilhosos. Um brinde a ele.

Vou passar uns dias fora, quem quiser acompanhar a minha micro viagem de férias é só me seguir no insta @cinthyarachel, mas já já tô aqui de volta.

Que 2015 traga mais histórias, mais amor, mais paz no coração, equilíbrio, abundância e satisfaction.

Tudo de bom em DOBRO pra vocês!




Nas categorias: mini contos

Você pode gostar também:

postado por Cinthya Rachel às 15:57
22
dez

Quando eu era criança/adolescente amava lavar o cabelo como se estivesse um comercial de shampoo, isso até entender que não ajudava em NADA os meus cachos. Fiz post sobre isso AQUI, mas nada como um vídeo pra ficar bem explicadinho, rs.

 




Nas categorias: cabelo tutorial vídeo


postado por Cinthya Rachel às 21:42
17
dez

 

Quero falar de amor.
Mas não desse amor que falam por aí.
Desse amor que representam com um cadeado na ponte e acham o símbolo extremo do romantismo.
Um cadeado?
Preso.
Fechado.
Trancado.
Enfeiando um elemento arquitetônico usado para transpor uma barreira. Algo que te leva de um lugar para outro.
Um caminho.
Isso simboliza o amor?
Ou daquelas músicas que doem, que gritam que sem o outro você não é nada, que não pode mais viver, que sufoca, não tem ar.
Isso é que é o amor?
Ou como nos filmes, a magia do encontro de um olhar ao atravessar a rua, a paixão imediata e avassaladora, as brigas homéricas que são curadas com sexo selvagem, da grande luta, dificuldade e sacrifício que é ficar com o outro, mas no fim o amor supera todas as barreiras e dificuldades.
Afinal amor é isso aí pelo visto.
Mas não é desse amor que tô falando não.
Quero falar daquele quentinho no peito e da mão dada embaixo do edredom na hora de acordar.
Do fazer cia e topar um programa chato de vez em quando só pra ficar perto, de realmente prestar atenção no que o outro está dizendo.
De tomar banho juntos num box apertando e molhando o banheiro inteiro, só pra imitar os filmes bobos e ver que não funciona na vida real.
Do estar ao lado quando o outro está num dia ruim e mostra o seu lado B.
Do cafuné sem motivo, da conversa jogada fora com o chopp gelado e o beijo na barriguinha do fim do almoço (culpa do chopp).
De querer conhecer o outro de verdade, por baixo do rasinho do dia-a-dia e saber que tem hora que precisa ir no mercado comprar sabão juntos.
De ficar em silêncio à vontade, apenas sendo quem você é de verdade e aceitando o outro com toda a bagagem que ele traz.
De conversar sobre essa bagagem e tentar diminuir o peso disso tudo, pra começar de novo, juntos.
É desse amor aí que eu quero falar.




Nas categorias: mini contos

Você pode gostar também:

postado por Cinthya Rachel às 21:35
10
dez

Sim! Fiz o segundo vídeo mostrando os cremes para pentear os cachos que estou usando no momento! Tem de tudo e vários com precinho amigo. Já usou algum? Me conta!

 




Nas categorias: cabelo vídeo