postado por Cinthya Rachel às 10:30
18
jul

Um homem isolado no alto de uma montanha que passa a vida meditando, tem seus méritos, mas tem muito mais quem passa a vida na base da montanha, convivendo, compartilhando, estando no meio de pessoas, porque o que nos faz crescer é a convivência, é o saber lidar com o outro, mas tem alguns OUTROS, que olha…

Sei lá, você faz uma sopa gostosa, um caldo verde, digamos. Você quer agradar seus convidados, você quer caprichar. Bastante bacon, não economiza na linguiça, a batata da boa, e a couve bem fininha. Aí coloca naquela sopeira linda, que fica guardada para as ocasiões especiais. Faz o prato de todo mundo e senta para desfrutar. Se alguém faz isso pra mim eu digo: caramba, que delícia, olha quanto linguiça, hum… (e repito umas 3 vezes). Mas tem gente, acreditem, que vai dizer: caramba, que exagero de linguiça, pra que tudo isso?

Tem gente que reclama de abundância, gente que reclama por reclamar, reclama porque acostumou, reclama e nem percebe que está reclamando.

Ok, ok, ela deve ter lá seus problemas, seus motivos, suas razões pra tanta chatice, e acredito que conviver com alguém assim te traga muitos méritos (e créditos pra próxima encarnação, rs), mas não sei se consigo respeitar alguém que reclama que tem muita linguiça na sopa…

*como minha vida é uma novela, a história PODE ter sido baseada em fatos reais, ou NÃO, vai saber…




Nas categorias: mini contos