postado por Cinthya Rachel às 9:42
26
out

Há muito tempo vi uma jornalista famosa dizer que lista de encomenda de viagem ela PERDIA, na época achei sem sentido e até meio grosseiro, até que fui fazer minha primeira viagem além mar e agora assino embaixo.

Basta você comentar que pretende ir viajar que pessoas (nem sempre íntimas ou amigas) começam a sondar: ah, traz um negocinho pra mim? E qual é o problema de trazer um negocinho, você me pergunta, e eu te digo. Imagina você lá no meio da viagem, preocupada em entrar na loja X para procurar o troço Y que a pessoa W te pediu. E aí não tem naquela loja e você vai pra outra, e anda e perde tempo. Aí você acha e compra, e tem que dar um jeito de colocar na sua mala, se preocupar se não vai passar da cota permitida e se não vai dar excesso de bagagem.

E não pense você que as pessoas tem bom senso e te pedem um lápis de olho ou uma blusinha, elas pedem coisas enormes, que ocupam um mega espaço na sua mala, elas querem tênis, moletom, máquina de não sei o que, e tudo em lojas que você não pretende nem passar perto. E detalhe, eu sempre viajo com mala pequena e vazia, e me orgulho de na volta nunca ter pagado excesso de bagagem, nada como viajar leve. Agora imagine você abrir mão de trazer algo pra você pra conseguir encaixar o tênis 44 que alguém pediu?

Mas o melhor mesmo é quando você até já ia passar na loja e simplesmente não tem o que a pessoa pediu, aí você volta e fala pra pessoa que não tinha, e ela revira o olho, REVIRA, fazendo cara de: ah, tá bom que não tinha. E sim, isso já aconteceu comigo. Fui em 4 lugares procurar um produto tal e ele não é FABRICADO no país, não existe, e a pessoa que me fez a encomenda achou que eu estivesse mentindo.

Se a pessoa é muito amiga eu trago com gosto e carinho, e carrego nem que seja na mão, mas se não tem intimidade e resolveu ficar minha amiga de infância antes do meu embarque, não adianta fazer listinha porque ela vai sumir, sabe como é…





Você pode gostar também: