Olha o que já passou por aqui!

postado por Cinthya Rachel às 13:35
02
jul

 

Meu bloguinho começou em 2006, e lá atrás a nossa comunidade blogueira era bem pequenininha e os blogs tinham uma pegada diferente. Era uma coisa mais diário, dia a dia, reflexões, o batom que tinha comprado, o creme que usava, cada um falava do que gostava e/ou entendia. Depois as coisas mudaram, e não necessariamente acho que mudanças sejam coisas ruins, os blogs ficaram mais profissionais,  mais bem feitos, mas hoje em dia demos mais um salto, agora temos a era do blog reality.

Acredito que se o blog é pessoal, é perfeitamente plausível que se mostre um pouco da sua vida, que as leitoras saibam dos seus gostos, do que você gosta de comer, se você malha, se está grávida, se tem namorado, se mora em casa ou apartamento, afinal o blog É a blogueira, ou DEVERIA ser.  Só que as leitoras/fãs agora tem sede de mais, sede de detalhes, sede de fazer parte da vida da blogueira.

E aí é uma roda gigante, a blogueira posta do namorado e ganha likes, posta beijando o namorado e ganha mais likes, posta beijando, abraçando e deitada com o namorado e ganha mais likes ainda. Posta foto do sofá e ganha likes, faz vídeo do quarto e ganha mais likes, faz tour mostrando a privada do banheiro e ganha um zilhão de likes. Aí a fã (porque nesse momento deixou de ser leitora) exige mais, cobra mais, pede mais, reclama, quer close da gaveta de calcinha, quer foto da lua de mel, exige resposta, exige atenção, pois é uma troca.

A blogueira posta o que esse público quer e essas pessoas (que pagam com audiência, share e likes nos posts) se sentem no direito de exigir o mundo, e são grosseiras, críticas, maldosas, e a blogueira fica puta, chateada, triste, e o público diz que ela tem que aguentar, já que eles estão pagando com sua presença, e aí a blogueira mostra mais ainda a sua vida e aí as pessoas pedem mais e aí…

O combo “vida pessoal+casa+namorado+bicho+viagem+tour+intimidades” parece funcionar e converter em grandes números, mas o preço que se paga por ele é alto.




Nas categorias: geleia geral mini contos


postado por Cinthya Rachel às 16:44
29
jun

Acredito que tem um montão de coisas na vida que a gente classifica como bom ou ruim, chato ou legal, preto ou branco. Mas na verdade tem muita coisa ali no meio, entre o zero e o 100, e muitas a gente acham que são maravilhosas ou terríveis de acordo com a nossa análise e com o momento que estamos na vida.

Vejamos a segunda. Ela não é necessariamente ruim, nem boa. Ela é neutra. Se você vai ver alguém que ama na segunda, vai sair com amigas, vai fazer um job que adora, vai viajar, enfim, fazer algo que te dá prazer, esse dia vai ser perfeito.

Eu passei muito tempo AMANDO as segundas e DETESTANDO meus fins de semana, hoje pensando nisso me parece impossível, já que tenho tido fins de semana maravilhosos, mas assim foi por um bom período.

E acredito que vale a análise quando a gente não suporta um dia X. Se a segunda é tão terrível, será que a gente não tem que mudar alguma coisa para ela ser mais bacana?

 




Nas categorias: geleia geral mini contos


postado por Cinthya Rachel às 10:21
26
jun

 

Já ouviram falar dos ciclos de 7 anos? Que de 7 em 7 anos você muda de fase, que coisas importantes acontecem nessas viradas e tals. Não sei como funciona o treco, mas para mim funciona. Então agora com 35 eu fechei um e abri outro. E além das mudanças, sentimentos e histórias internas e externas que já estão se revolucionando, aconteceu uma coisa louca.

Um dia eu abri o meu armário e não me reconheci. Nada do que estava ali era eu ou combinava comigo, e eu, uma pessoa que sempre teve orgulho em se arrumar rápido, me vi sofrendo e trocando de roupa 5 vezes antes de sair e achando tudo chato, feio e bobo.

Mas eu não sabia exatamente o que eu queria ou que combinava comigo, não gostava de nada que eu via, mas eu também não queria usar nada que estava no armário.

Um dia cheguei em casa e nem parei pra sentar, já fui logo abrindo meu “closet” e tirando tudo (ou quase tudo) que eu não me via mais usando. Sem dó, sem pensar duas vezes e me sentindo leve ao fazer isso .

Por uns dias fui passear e tentar achar alguns itens básicos que achei que fossem combinar com esse novo eu. Fui em lojas de departamento, barraquinhas, alternativas, fast fashion, tudo que eu achava que pudesse ter a ver comigo. Teve um dia que experimentei mais de 15 calças pretas e nada. Me olhava no espelho e nada ficava bom, nada combinava comigo, nada caia bem, com nada eu me identificava.

Respirei fundo e desencanei, parei de tentar entender o que estava acontecendo e aceitei. Sim, estou filosofando sobre uma peça de roupa e o significado dela nesse momento da minha existência, rs. Aí, um dia, aproveitando minha hora de almoço, e as promoções, dei uma passadinha numa loja, coloquei uma calça X e amei (cinza, estampa gráfica, flare, depois mostro para vocês), levei. Passei em uma outra lojinha dessas sem marca e tinha uma camisa branca básica, de tecinho levinho, tamanho único, que eu já tinha experimentado um tempão antes e não tinha levado, e ela estava em promoção. Entrei, tirei do cabide, nem provei de novo e levei.

Cheguei em casa, experimentei as duas peças juntas e fez um click, é isso. Muito mais do que a calça, que realmente caiu bem, foi a camisa branca que deu um estalo. Leve, soltinha, confortável, branca, simples. Do jeito que eu quero levar a minha vida nesse novo ciclo. LEVE <3




Nas categorias: armário mini contos


postado por Cinthya Rachel às 14:23
23
jun

 

Cinthya, sua chata, feia e boba, cadê você?

Tô aqui, gente! Sumi mas não sumi, rs. Além da correria nossa de cada dia, estamos sem posts e sem vídeos pois meu computador morreu, mas calma, ele já foi pro hospital, está na UTI e já já volta. Saibam que:

-Vamos ter a segunda temporada do Vida de Blogueira, yay! Quem ainda não viu pode acompanhar AQUI.

-Também teremos mais vídeos de receita, huummmmm. Aguardem!

-Continuaremos com as dicas de beleza, mas cada vez mais quero voltar às origens do blog, com livros, textos, dia a dia. Era tão legal naquele início onde a gente compartilhava histórias, dicas. Que bom que vocês aqui gostam desse nosso bate papo.

-De resto tudo bem, tudo na paz, tudo lindo e cheio de amor.

Besos!